terça-feira, 17 de agosto de 2010

SEM DONO


Não sei o que aconteceu comigo,
Pareço estar perdido sem abrigo,
Vejo as estradas vazias,
Sorrisos falsos sem alegria.
Onde esta a brisa da madrugada?
Preciso fingir que estou com sono,
Minha vida esta toda largada,
Meu existir esta sem dono.
Qualquer pessoa pra desabafar,
Água fria na cara pra acordar,
Eu ainda estou aqui.

Passos largos sem
direção,
Batidas lentas sem emoção,
Eu ainda não me esqueci.