segunda-feira, 21 de março de 2011

O bilhete de adeus

Na tarde passada de céu cinzento,
minha tristeza me fazia companhia,
de repente você batia na porta,
dizendo baixinho que eu era seu amor,
queria tanto negar, não me entregar.
Mas você estava deslumbrante,
com seu vestido cor de carne,
me tocou e me beijou e logo choveu.

Minhas defesas se quebraram,
o carinho era imenso que não resisti.
você me pegou de jeito, marcou meu peito,
te amei como nunca tinha te amado,
unimos dois corpos num só desejo,
unimos dois corações em um só amor,
sem pensar que fosse a última vez.


Mas o dia amanheceu e você já não estava comigo,
te procurei pela casa e só ia crescendo o desespero,
você foi embora e levou os sonhos meus,
quando vi no espelho uma marca do seu beijo,
e logo na mesa um bilhete de adeus,
dizendo perdão não prometo voltar.