sexta-feira, 29 de junho de 2012

O destino cruel


Decolei como um avião,
sem rumo sem direção,
na euforia não vi por onde voava,
e assim me feri quando o sonho ainda terminava.

Fomos mas que uma louca aventura,
pena que a paixão sem fogo não dura,
e assim o frio nos apagou,
sem dó, me fez sofrer,
e hoje só restou apenas momentos de nos dois.

Não fomos feito um para o outro,
o destino vacilou... marcou bobeira,
e agora ele não vai mais deixar,
eu te beijar, te tocar e te amar.